segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

O MACACO NU

O MACACO NU
Desmond Morris
Editora Livros de bolso Europa-América, 3ª Edição.
Agosto de 1997, Mira-Sintra . Primeira edição data de 1967
256 páginas



Li todo o livro e gostei de ter lido, entretanto achei algumas partes pouco explicativas, penso que faltaram referências em determinados momentos.
O livro trata do homem como primata, a importância da evolução sexual na evolução humana, a diferença entre o período de maturação no homem e outras espécies, a diferença forma de exploração do ambiente e as formas de interação entre o homem e outras espécies de animais.
Aconselho a leitura do livro a estudantes de Biologia, principalmente aqueles que pretendam seguir estudos na área de etologia e evolução, psicólogos e zoólogos, porque o livro coloca a evolução humana relacionando os processos evolutivos biológicos e culturais, antropólogos e todos que tenham interesse pelo assunto, pois apesar de ter algum contendo científico, o livro é escrito de forma muito clara e fácil de compreender.

Este pequeno parágrafo representa bem o que o assunto tratado no livro:

Assim, cá temos o nosso macaco pelado, vertical, caçador, colecionador de armas, territorial, neotécnico e cerebral, primata de origem e carnívoro por adopção, preparando para conquistar o mundo. Mas ele é ainda um modelo novo e experimental, e os protótipos, têm muitas fezes defeitos. Neste caso, as principais complicações dependerão do fato de os seus progressos culturais ultrapassarem muitas vezes o genéticos. Os genes atrasaram-se e ele nunca esquecerá que, apesar de todas as modificações que introduza no ambiente, continua, bem no fundo, a ser um macaco pelado.

Existe alguma relação entre a capa e o contexto do livro? Qual?

A ilustração da capa corresponde muito bem ao conteúdo do livro.


Gostou desta organização ou mudarias alguma coisa? O quê? Porquê?
O conteúdo ficou sequencialmente organizado de forma a facilitar o seu entendimento.


Como está organizado o livro (cápitulos, subcapítulos, …)?
O livro está dividido em 8 capítulos, possui introdução, Apêndice-Referências bibliográficas e bibliografia

Resumo:

Comparando o homem com seus parentes primatas observa-se diversas diferenças, entre elas é conspícua a pele, já que o humano é o único que apresenta a maior parte da superfície do corpo sem pêlos. Por isto, o autor o denomina macaco pelado. Para compreender melhor as mudanças que diferenciaram tanto o macaco pelado das outras espécies de primatas é necessário pesquisar o seu passado e o presente. Entre as principais mudanças na forma de vida que desencadearam as outras mudanças está o hábito de vida terrestre. Com a mudança da paisagem algumas espécies de macacos, incluindo o macaco pelado foi obrigado a deixar a boa e velha árvore que dava proteção, abrigo e alimento para encarar animais ferozes no chão. A partir deste momento o macaco pelado foi obrigado a lutar com outros animais e a caçar para ter alimento, modificando o hábito alimentar e as relações entre os membros do grupo. A ato de caçar em grupo estimulou o o desenvolvimento do raciocínio e as relações sociais.
Com o tempo este grupo de primata tornou-se monogâmico, surgiram então algumas regras sociais relativas a este fato. Diversas modificações no corpo e na atitude foram responsáveis por uma evolução sexual, que está diretamente relacionada a evolução do macaco pelado. A criação dos filhos é muito importante para os macacos pelados. A neotecnica, que não acontece em outras espécies de primatas passa ocorrer no macaco pelado, sendo responsavel em grande parte pelo desenvolvimento do raciocínio lógico. A partir do momento que a infância é mais duradoura, o cérebro é mais estimulado e o macaco pelado passa a ter cada vez maior capacidade de associação, o que é de extrema importância para sua sobrevivência.
Com o aumento do raciocínio, o macaco pelado passou a explorar cada vez mais o mundo a sua volta tornando-se assim o primata mais oportunista e menos “especialista”. Para esta espécie uma outra espécie animal normalmente se encaixa em um dos cinco critérios: presa, simbionte, competidores, parasitas ou perseguidor. Quanto mais distante filogeneticamente e quanto mais perigosa, menos apreciada é outra espécie pelo macaco pelado. A idade e sexo do indivíduo macaco pelado também influencia no grau de apreciação e relacionamento com outras espécies.

1 comentário:

Diogo Francisco disse...

O seu trabalho está bom. O seu blogue é também interessante.